O universo de um jeito que você nunca viu...: Maio 2009

domingo, 31 de maio de 2009

Nerds são melhores na cama, diz estudo


Pessoal, essa matéria é pra diminuir um pouco esse preconceito que ronda o mundo NERD. Só porque o cara gosta de um quadrinho, um video-game, ficção-científica e afins não quer dizer que ele seja ruim nos quisitos sociais/sexuais. Acredito eu que essa superioridade deve ser devido aos conhecimentos biológicos/químicos. Enfim, leiam logo a matéria.


SÃO PAULO – Um estudo realizado na Inglaterra mostra que os profissionais da área de TI são os mais preocupados com o parceiro na hora do sexo.
A pesquisa, realizada pelo site PS3PriceCompare, perguntou a 2084 homens e mulheres (56% do sexo masculino e 44%, feminino) segmentados em sua profissões algumas questões relacionadas a sua rotina sexual. Quando perguntados se consideravam as necessidades do seu parceiro acima das suas, 82% dos “IT workers” responderam que sim, contra 74% dos segundos colocados, os trabalhadores de escritórios, e 41% que trabalham com esporte e fitness – últimos colocados.

Quando perguntado "Você utiliza regularmente brinquedos sexuais com seu parceiro?", os campeões foram novamente a turma dos analistas, desenvolvedores, webdesigners etc. Oito em cada dez trabalhadores do setor tecnológico disseram que os “gadgets” para fins sexuais têm papel importante nas suas relações. Os esportistas novamente foram os menos adeptos e esse tipo de criatividade – apenas três em dez utilizam algum tipo de artifício.
Se na qualidade do relacionamento, os nerds dão um banho em outros profissionais, a quantidade já não é tão espetacular. Apenas 38% dos trabalhadores de TI disseram ter relações sexuais três ou mais vezes por semana. Essa frequência foi dita por mais da metade dos trabalhadores de escritório e e por 47% dos profissionais do esporte. Empresários ficaram na lanterna – apenas 21% diz fazer sexo três ou mais vezes por semana.
Comentário sobre a imagem: Não passa de um preconceito!
Obrigado pela atenção!!!

terça-feira, 26 de maio de 2009

Três galáxias lutam em um cabo de guerra cósmico


Há uns 100 milhões de anos luz de distância, na constelação de peixes, três galáxias estão brincando de cabo de guerra. O jogo pode levar, até mesmo, à fusão delas em apenas uma enorme entidade.

Uma nova imagem do telescópio Hubble, da NASA, permite que os astrônomos vejam o movimento de gases de galáxia para galáxia, revelando as intrincadas relações entre elas.

As três galáxias fotografadas- NGC 7173, NGC 7174 e NGC 7176- São parte do Grupo Compacto de Hickson. O nome vem de Paul Hickson astrônomo que catalogou as galáxias nos anos 80.

As galáxias NGC 7173 e NGC 7176 são galáxias normais, em formato elíptico, sem muito gás e poeira.

Em contraste, NGC 7174 é uma galáxia em formato espiral, quase independente. Uma força gravitacional muito forte entre as três galáxias fez com que algumas estrelas fossem "jogadas" de seu lugar habitual, em suas galáxias "natais".

Essas estrelas agora estão espalhadaspelo complexo, formando um sinuoso componente luminoso nas extremidades do grupo de galáxias.

Ultimamente, os astrônomos têm teorizado que as estrelas perdidas de NGC 7174 formaram uma gigante ilha, cem vezes maior do que a nossa Via Láctea.

OBS: No caso de possíveis dúvidas, leiam o post "Canibalismo Galático".

Detalhes da imagem: Foto tirada das três galáxias pelo telescópio Hubble.


Obrigado pela atenção!!!

Homo Floresiensis, outra espécie humana

Ao princípio achava-se que era um menino de três anos. Mas um exame mais detalhado dos restos frágeis, que não estão fossilizados e têm a consistência de papel molhado secando, revelou que os pequenos e frágeis ossos, encontrados em uma gruta da ilha de Flores na Indonésia, correspondiam a um adulto totalmente desenvolvido, de um metro de altura.



Comparação de crânios de um Homo floresiensis e um Homo sapiens.

Seria um humano moderno que não cresceu por desnutrição ou por alguma doença? Não. Os ossos pareciam primitivos, e outros restos achados, sugeriam que esse esqueleto não era a exceção senão a regra em toda uma população de pequenos seres que viveram nessa ilha remota. Haviam descoberto um novo tipo de humano.


Gruta em Liang Bua (gruta fresca). Lugar onde viveu o Hobbit.

O pequeno parente do homem, apelidada de Hobbit como a raça fictícia de Tolkien, viveu há 18 mil anos, em uma época em que os humanos modernos já tinham iniciado sua expansão por todo mundo. No entanto, parece mais uma versão em miniatura de nossos antepassados de 1,8 milhões de anos do outro extremo da Ásia. Um mundo perdido onde liliputianos sobreviventes conviviam com animais já extintos no resto do mundo, lagartos enormes e ratos gigantes.

A nova espécie o Homo Floresiensis, é considerada a descoberta mais importante e enigmática de sua classe na história recente. A altura estimada de um Homo floresiensis adulto, é muito menor que a altura média adulta de todas as populações humanas modernas fisicamente menores, tais como os pigmeus africanos, 1,37 m em média.

Não estamos sós no planeta, nem sequer somos a única espécie humana.

Eu estou longe de ser ateu, podem ter certeza, mas minha natureza contestadora é mais forte que eu, então vou deixar minha única pergunta: Onde a bíblia entra nisso ?

Obrigado pela atenção!!!

domingo, 10 de maio de 2009

Buracos de minhoca-"Viagem no tempo, ficção ou realidade científica ?"


Depois de ontem ter visto Star Trek, um filme híper famoso de ficção científica, me animei de fazer esse post que queria fazer a tempos. Quem entender um pouquinho esse post verá que viagem no tempo talvez não seja algo impossível. Embora tenha demorado muito tempo pra fazê-lo, ele ficou híper simples, pois excluí muita coisa. Um dos próximos post será sobre uma teoria que estou estudando, aí ampliarei os buracos de minhoca.

Em física, um buraco de verme ou buraco de minhoca, é um objeto totalmente teórico, mas não inexistente, de atalhos pelo espaço-tempo. Um buraco de verme possui ao menos duas "bocas" as quais são conectadas a uma única "garganta" ou tubo. Se o buraco de verme é transponível, a matéria pode "viajar" de uma boca para outra passando através da garganta. Embora não exista evidência nenhuma desses objetos, sua existência é possível pelas leis da Relatividade de Einstein.

O termo buraco de verme (wormhole em inglês) foi criado pelo físico teórico estadunidense John Wheeler em 1957. Todavia, a idéia dos buracos de verme já havia sido inventada em 1921 pelo matemático alemão Hermann Weyl em conexão com sua análise da massa em termos da energia do campo eletromagnético.

O nome "buraco de verme" vem de uma analogia usada para explicar o fenômeno. Da mesma forma que um verme que perambula pela casca de uma maçã poderia pegar um atalho para o lado oposto da casca da fruta abrindo caminho através do miolo, em vez de mover-se por toda a superfície até lá, um viajante que passasse por um buraco de verme pegaria um atalho para o lado oposto do universo através de um túnel topologicamente incomum.

Buracos de verme intra-universos conectam um local em um universo a outro local do mesmo universo (no mesmo tempo presente ou não presente). Um buraco de verme deverá ser capaz de conectar locais distantes no universo criando um atalho através do espaço-tempo, permitindo viajar entre eles mais rápido do que a luz levaria para transitar pelo espaço normal. Buracos de verme inter-universos conectam um universo a outro. Isto dá margem à especulação de que tais buracos de verme poderiam ser usados para viajar de um universo paralelo para outro. Um buraco de verme que conecta universos (geralmente fechados) é frequentemente denominado como worm hole de Schwarzschild(Isso é claro, se a teoria do multiverso for verdadeira, q qual que diz que vários universos existem). Outra aplicação de um buraco de verme poderia ser a viagem no tempo. Neste caso, é um atalho de um ponto no espaço-tempo para outro.

Sabe-se que buracos de verme (lorentzianos) não são excluídos do arcabouço da relatividade geral, mas a plausabilidade física destas soluções é incerta. Também não se sabe se uma teoria degravitação quântica, que juntasse a relatividade geral com amecânica quântica, ainda permitiria a existência deles. A maioria das soluções conhecidas da relatividade geral que permitiriam buracos de verme transponíveis exigem a existência de matéria exótica
, uma substância teórica que possui densidade de energia negativa. Todavia, não foi matematicamente provado que isto é um requisito absoluto para buracos de verme transponíveis, nem foi estabelecido que a matéria exótica não possa existir.

Mesmo se alguém encontrasse um buraco de verme e viajasse através dele, os cientistas não têm certeza sobre como isso afetaria o indivíduo. Alguns acreditam que um buraco de verme não se manteria estável por tempo suficiente para permitir a travessia. E existem teorias que sugerem que mesmo que ele permaneça estável, o viajante seria alterado de formas indeterminadas e poderia experimentar danos ao coração ou cérebro, e possivelmente até a morte.


Detalhes da imagem:Se um observador desejasse ir de um ponto A até o ponto B ele faria um percursso extremamente longo, que foi representado como a seta vermelha. Mas, se ele passase pelo wormhole, ele percorreria um percurso bem menor, que está representado como a sea amarela.

Obrigado pela atenção!!!