O universo de um jeito que você nunca viu...: Março 2009

terça-feira, 24 de março de 2009

Canibalismo galático


Pessoal, antes dessa matéria, tenho de falar de um fenômeno que acontece no universo que é lento porém muito frequente, é o chamado; canibalismo galático.
Bem, as leis da gravidade são claras, corpos maciços atraem corpos maciços, e que se sabe até hoje não existe corpos mais massivos que as galáxias, ou seja galáxias são muito maciças, e geram muito campo gravitacional.
Galáxias se agrupam assim como as estrelas, são os chamados grupos locais. Aproveitando o tópico conjunto de estrelas na verdade se chaman aglomerados e não constelações.
O grupo local em que nossa galáxia se encontra é dotado de 30 galáxias, sendo que somente uma é maior que a nossa que é a famosa galáxia de Andrômeda (Vísivel a olho nú). As duas estão se atraindo gravitacionalmente, elas se aproximam numa velocidade de 400 mil KM/H e a distância que as separa é de cerca de 3 milhões de anos-luz e daqui cerca de 3,5 bilhões de anos elas se fundiram transformando-se em uma galáxia maior. As duas estão num tipo de "dança cósmica", girando num centro comum de massa. Aproveitando o tópico de novo, é errado dizer que os planetas giram ao redor do Sol, que a Lua gira ao redor da Terra e tudo mais, todos giram num centro comum de massa.
As galáxias iriam interagir gravitacionalmente até que seus núcleos se fundissem, só que quem leu minha matéria sobre buracos negros viu que nos núcleos das galáxias existem buracos negros super-maciços, aí a dúvida de muita gente, "O que aconteceria se dois buracos negros se esbarrassem por aí ?" Bem, todo mundo estudou com a Tia Maricota lá na escolinha Coelho Sábido que a Via Láctea é espiral e Andrômeda também, aqueles "braços" são chamados de caudas gravitacionais e é ali que nós nos encontramos fazendo uma volta no núcleo da galáxia a cada 250 milhões de anos. Mal íamos sentir os efeitos da galáxia colidindo, afinal estamos a 50 mil anos luz da centro da galáxia, moramos numa "periferia galática", e é no centro onde toda a treta iria rolar pois a física diz que corpos grandes e maciços tendem a ir pro meio e lá onde estão as estrelas maciças e onde estam os buracos negros. Depois da fusão dos núcleos os dois buracos negros ficariam no centro da galáxia engolindo matéria, depois quando tiverem engolindo matéria suficiente eles iriam se unir e fazer uma desgrama gigante, coisa de bilhões de vezes a massa do Sol. Uma observação importante é que a nossa Via Láctea irá se fundir com duas galáxias menores nesse tempo
Bem o necessário e básico está aí, agora vejam a matéria:

Telescópio captura imagem de duas galáxias antes de colisão

O impacto dos dois aglomerados deu origem à galáxia NGC 6240
Galáxia NGC 6240

O telescópio Spitzer, da Nasa, capturou, no último domingo, a imagem de duas galáxias momentos antes de elas colidirem. O impacto dos dois aglomerados deu origem à galáxia NGC 6240, que está localizada a uma distância 400 milhões de anos-luz da Terra.

De acordo com a agência espacial norte-americana, a NGC 6240 já está expelindo luz infravermelha, o que, de acordo com a Nasa, significa que a galáxia está em processo de formação.

"Uma das coisas mais excitantes sobre este fato é que está imagem é única", afirmou Stephanie Bush, integrante do centro de astrofísica da Universidade de Harvard.

Dois objetos girando num centro comum de massa

Imagem em Infravermelho do núcleo da Via Lactea Captada pelo Telescópio espacial Spitzer

Galáxia Andrômeda.


Detalhes da primeira imagem: Imagem tirada pelos telescópios espaciasi Chandra X-Ray, Spitzer e Hubble de um canibalismo galático

OBS:Não pus imagem da Via Láctea pois não tem como tirar a foto da sua casa sem sair de dentro dela

Obrigado pela atenção!!!


domingo, 8 de março de 2009

Júpiter, o senhor gigante.


Bem pessoal, em primeiro lugar peço desculpas por ficar tanto tempo sem postar nada afinal meu tempo está escasso.
Mas enfim, hoje vou falar de Júpiter, meu planeta favorito.
Essa imensa bola de gás é constituída principalmente por hidrogênio e hélio, os elementos mais leves e abundante do universo.
Seu núcleo provavelmente é formado por hidrogênio metálico envolto por um oceano constituído principalmente de hidrogênio e hélio, sua atmosfera é constituída principalmente de hidrogênio, hélio, amônia e vapor d'água.
Foi observado por Galileo Galileu em 1610 depois da invenção da luneta. Seu sistema de satélites naturais é constituído de 63 luas, sendo as 4 principais: Ganímedes, Europa, Calisto e Io, as 4 luas galilelianas.

http://members.wri.com/jeffb/vistapro/io-jupiter.jpg

Concepção artística de como veríamos Júpiter olhando de Io, seu satélite natural

Seu sistema de anéis não é tão complexo quanto os de Saturno.
Em 1979 as duas sondas Voyager descobriram um halo de poeira muito fino, que vai de 100 a 122 mil km do centro de Júpiter e um sistema de três anéis. O anel principal tem cerca de 6 mil km de espessura e se estende de 122 a 129 mil km do centro do planeta, englobando a órbita de duas luas, Adrastéa e Metis, (que são as fontes de partículas do anel). Dados recentes da sonda Galileo revelaram que um segundo anel muito tênue trata-se, a rigor, de um anel interno e outro externo, e ambos se estendem de 129.200 a 224.900 km do centro do planeta. Por ser somento constituído de poeira ele é imperceptível a olho nú.

Anéis de Júpiter


Se Júpiter fosse oco, dentro dele caberiam todos os outros planetas ou mais de 1.300 mundos iguais ao nosso. Se fosse chato como um disco, seriam necessários quase doze diâmetros da Terra para cobri-lo de ponta a ponta( Afinal seu diâmetro equatorial é de142.984 de KM). Ele orbita o Sol a ~800.000.000 (Oitocentos milhões) de quilômetros. Sua translação demora quase doze anos e um dia quase 10 horas. Sua rotação produz correntes elétricas são geradas na camada de hidrogênio metálico. A eletricidade produz um poderoso campo magnético, 14 vezes mais intenso que o terrestre e que se estende para além de Saturno, mas é invertido em relação ao nosso. Lá, a agulha de uma bússola trava rapidamente sem oscilações, e onde indicar o Norte, não tenha dúvida, é o Sul. Uma pessoa pesando 70 KG aqui, pesaria 160 em Júpiter.
Muitos insistem em dizer que Júpiter por pouco não seria uma estrela, e é mais ou menos isso, pois se ele tivesse cem vezes mais massa teria pressão atmosférica e temperatura suficientes pra iniciar a fusão termonucleare assim virar uma estrela.

http://www.softpedia.com/screenshots/Jupiter-the-God-Father-Planet-Screensaver_1.png
Júpiter em comparação com a Terra.

Outro ponto interessante sobre Júpiter é a Grande Mancha Vermelha, uma tempestade que há 300 anos não se dissipa, pois Júpiter não tem atrito de uma superfície sólida (Nem isso ele tem) para acabar com a tempestade. Trata-se de um anticiclone de 25.000 KM de diâmetro (Nosso planeta tem 12.000 KM de diâmetro) e 12.000 KM de altura.O topo da tempestade (cristas das nuvens) distanciam-se em altura aproximadamente 8 km das nuvens circundantes. Nas bordas da Grande Mancha Vermelha os ventos chegam a 600 KM/h (Os ventos mais fortes já vistos na Terra são de 280KM/h, em Netuno os ventos tem 2000 KM/h e em alguns planetas fora do Sistema Solar eles chegam a 20.000 KM/h). Ela leva 10 dias para dar uma volta em torno de si mesma (Rotação). A abundãncia de gases é tamanha que a chuva nessa tempestade é totalmente diversificada. Experiências laboratoriais parecem relacionar a sua cor vermelha com a existência de moléculas orgãnicas complexas ou com a presença de fósforo vermelho aspirado pelas correntes de gás em movimento na atmosfera. Júpiter emite mais energia do que recebe do Sol, isso significa que ele tem alguma fonte interna de calor e energia. As tempestades que conhecemos dependem de água pra se formarem mas não há água em Júpiter, é provável que o que alimenta essa tempestade colossal é um vulcão atmosférico, enquanto o gás tenta escapar ele cria um vórtice, mas, é só uma teoria. Outro ponto que ninguém consegue explicar é o porque que a Grande Mancha Vermelha não se movimenta, estruturas menores vem e vão, em volta dela são áreas totalmente turbulentas e instáveis, mas ela sempre está ali, sem mover-se. Os trovões na Grande Mancha Vermelha são 4 vezes mais altos do que aqui na Terra pois o som viaja cerca de 5000 KM/h em Júpiter. A chuva cai com o dobro da velocidade do que aqui. A separação que atrai a carga positiva pra cima das nuvens e a negativa pra baixo é mais eficiente porque a chuva cai com o dobro da velocidade. As nuvens de Júpiter não se movem todas pro mesmo lado como aqui, cada uma toma seu rumo, é muito foda as nuvens de Júpiter se movimentando.



Ficheiro:Great Red Spot From Voyager 1.jpg
Grande Mancha Vermelha


Outro ponto crucial sobre Júpiter é que ele nos protege de ameaças vindas do espaço exterior. Cometas e asteróides vindos do Sistema Solar exterior e do Cinturão de Kuiper (Pra quem não sabe é um cinturão de asteróides que circula o Sistema Solar) são atraídos por Júpiter que não os deixa entrar no sistema Solar interior (órbitas de Marte, Terra, Vênus e Mercúrio), por exemplo: Um asteróide qualquer está vindo do Cinturão de Kuiper, quando ele passa perto de Júpiter o asteróide é atraído por ele sendo aprisionado no seu campo gravitacional e fica longe do nosso planetinha frágil, talvez devemos nossa evolução à ele. Resumindo, ele age como um imã cósmico. A maior prova do poder de Júpiter se deu em Julho de 1994, quando o asteróide Shoemaker-Levi 9 entrou em rota de colisão com Júpiter. Quando chegou perto a gravidade Júpiter o fragmentou em 21 pedaços (Podem ter tido mais ). a uma velocidade de 60 KM/s, ou seja a uma velocidade supersônica, devido a isso criou-se uma onde de choque tão sinistra que ejetou nuvens de materia e uma bola de fogo que se estendeu a 3000 KM de altura para o espaço (Sendo que a gravidade de Júpiter é maior, se fosse na Terra talvez fosse até mais longe. Agora pensem, o que aconteceria se ele entrasse em rota de colisão com a Terra ? Seria um envento comparável à extinção dos dinossaurs que liberaria energia comparável a 20X o arsenal atômico da Terra (Sendo que nosso arsenal atômico dá pra explodir 10 de nosso planeta). Mas meus amigos, tudo na vida tem um lado ruim, do mesmo jeito que ele pega asteróides ele também arremessa asteróides na nossa direção a uma velocidade de 50 KM/s e nada impede que algum venha em nossa direção.

http://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/thumb/7/71/Shoemaker-Levy_9_on_1994-05-17.png/800px-Shoemaker-Levy_9_on_1994-05-17.png
Shoemaker-Levi 9

Explorar Júpiter não seria uma tarefa fácil, onde pousar uma nave em algum lugar que não se tem areia, rochas ou qualquer lugar sólido ? Só nuvens, nuvens e nuvens. Pra podermos explora-los teríamos que usar balões. Para balões funcionarem legal em Júpiter teríamos que usar algo mais leve que hidrogênio, mas o que é mais leve que o hidrogênio ? Todos sabem que o gás quando é aquecido fica mais leve logo conclui-se que; Para explorar Júpiter teríamos que usar hidrogênio aquecido, mas todos sabem que aquecer hidrogênio não dá muito certo pois ele é totalmente inflamável, aí...
C A B U M!
Uma sonda que não estou me lembrando qual é, penetrou na atmosfera de Júpiter, uma hora depois ela simplismente foi esmagada instantâneamente com sua incrível pressão atmosférica 3.000.000 de vezes mais forte do que a pressão atmosférica do nível do mar, ou seja, aonde nós vivemos.

http://www.cosmographica.com/gallery/portfolio2007/content/bin/images/large/347_JupiterMeteor.jpg
Concepção artística de como é Júpiter por dentro.

http://br.geocities.com/ielcinis/planetas2/Jupiter_art3.jpg
Concepção artística de como é outra região de Júpiter olhando de dentro dele mesmo.

Curiosidade: Júpiter pode não ser o ponto mais brilhante olhando a olho nú mas é o maior ,(Exceto a Lua, claro) devido à isso os cientistas acham que ele era a "estrela de Belém" que prientou os três reis magos até o menino Jesus.

http://wolfpangloss.files.wordpress.com/2008/05/jupiterspots_hst.jpg
Outra imagem da Grande Mancha Vermelha, não está mais nítida, mas dá pra ter mais noção.

Detalhes da primeira Imagem: Júpiter, sempre bonito e imponente

Obrigado pela atenção!!!